Ads 468x60px

Link list 2

AddThis

27 de dezembro de 2015

7

Análise (JapanOstalgia) - Super V.G. - Variable Geo


NOME: Super V.G. - Variable Geo
DESENVOLVEDORA: TGL
GÊNERO: Luta
PUBLICADO POR: TGL
ANO DE LANÇAMENTO: 1995
MODOS DE JOGO: Single/Multi Player

Mortal Kombat, Street Fighter e Killer Instinct… são com certeza os principais nomes que vem à cabeça quando se fala em jogos de luta no SNES não é? Mas tem muito mais, alguns bem conhecidos como os ports de grandes games da SNK, alguns independentes que apareceram como Fighter’s History, os assustadores Ballz 3D e Taiketsu!! Brass Numbers e mais um monte de coisa que você já jogou, ou não… Mas numa avaliação geral de games de luta desconhecidos quantos podemos dizer que oferecem uma boa experiência para o jogador? Aí a coisa complica porque grande parte deles é até interessante mas pecam no que mais define um bom game de luta, a jogabilidade.
Partindo dessa lógica vamos conhecer neste review um game que tem potencial para competir com os grandes, ele é razoavelmente conhecido mas que por falta de lançamento ocidental não recebe uma boa atenção. Então clique no CONTINUE LENDO e conheça um pouco mais sobre Super V.G. - Variable Geo.




INTRODUÇÃO AO UNIVERSO DE V.G.

Tela de título do primeiro V.G,
Antes de falar de Super V.G. vamos tentar entrar no universo da série e contar sobre suas origens.
Em 9 de julho de 1993 no NEC PC-9800 (computador doméstico popular do Japão) nascia V.G. - Variable Geo, um game de luta que além de toda a pancadaria oferecia conteúdo adulto e mesmo tento um enredo o game foca mesmo é na parte hentai e deixa até diálogos e rivalidades entre personagens de lado pra isso.
Apenas um exemplo do que você vai encontrar no game original....
O enredo do game se passa num futuro próximo (considerando o ano de lançamento do game bem capaz de ser algo perto de 2000) onde uma organização conhecida como Jyahana Group promove um torneio de artes marciais chamado de Variable Geo onde eles escolhem a mulher mais forte, mas não qualquer mulher mas sim garçonetes que representam o restaurante familiar (Familiar Restaurant ou Famires como são chamados no Japão). Para o restaurante vencedor vai um grande prêmio em dinheiro, para a vencedora vai o título de Virgin Goddess (Deusa Virgem) e também uma casa que pode ser construída em qualquer lugar do mundo. Mas para as perdedoras resta apenas a vergonha, uma vez derrotadas elas são obrigadas a se despir em público, são humilhadas e até estupradas. Daí você já entende o porque do hentai na série….

Cena de gameplay do primeiro V.G. no NEC-PC98
Claro que quando os games da série foram parar nos consoles a parte do hentai teria que ser removida (infelizmente heheheh) e também o desenvolvimento e publicação que era de responsabilidade da Giga passou para a Techinical Group Laboratory ou simplesmente TGL. Com um nome diferente de empresa rebatizaram o game de Advanced V.G. e lançaram primeiro no PC Engine, lá o game ainda tinha um Ecchi, colocaram mais três personagens e focaram no modo Story contando agora com um bom enredo. Alguns anos depois esta mesma versão foi relançada para o Playstation e SEGA Saturn contendo gráficos ainda melhores e alguns upgrades, mas eu vou falar um pouco de outras versões no final do post.

MAS ONDE ENTRA O SUPER V.G.??

Arte da caixa
Eu tinha dito que a franquia Variable Geo nasceu em 1993, a versão Advanced do PC Engine nasceu em 1994 mas foi em 21 de julho de 1995 que a TGL finalmente decidiu lançar a versão de Super Famicom, batizada de Super V.G. esta versão é ainda mais censurada que todas as outras no quesito Echhi, teve mais uma vez o Story Mode removido mas manteve os personagens extras e o enredo básico do primeiro game (sem a história de estupro é claro).
O game conta com um bom visual e jogabilidade o que mesmo sendo limitado de um modo de gameplay não o deixa atrás da versão de PC Engine. Abaixo você pode conferir a abertura do game.



PERSONAGENS

Super V.G. conta com um pequeno elenco, são 9 personagens no total todas mulheres e uma delas é a chefe do game que pode ser usada normalmente, o elenco tem personagens de diversos estilos mas dá pra encontrar sempre alguma referência à Street Fighter II e até a outros games de luta. Infelizmente é um elenco pequeno mas é o suficiente para se divertir com o game.
Abaixo você confere a lista de personagens (todas jogáveis) do game.

Nome: Takeuchi Yuka
Idade: 17
Medidas: 88-59-88
Local de Nascimento: Tokyo - Japão
Estilo de Luta: Kyokushin Karate
Restaurante: Hanna Miller’s (Baseado na rede de restaurantes japonesa Anna Miller’s)

Yuka é a personagem principal do game, é aquela típica garota de bom coração que sempre está cercada de amigos e é querida por todos a sua volta. Ela perdeu os pais ainda muito jovem e foi criada pelo avô que além de pai lhe ensinou artes marciais. Yuka entra no torneio sem nenhuma ambição apenas para testar suas habilidades.
Jogar com Yuka é praticamente jogar com o Ryu, é a típica personagem equilibrada e pra manter ainda mais a semelhança com o protagonista de Street Fighter ela tem como golpes especiais um fireball e um dragon punch e todos os movimentos são executados como os do japonês. Você dificilmente vai ter problemas jogando com a Yuka mas enfrentá-la vai ser chato, afinal ela apela tanto quanto o Ryu.
Hanna Miller's... Ambiente familiar e garçonetes que
tem força pra quebrar o seu pescoço.
Apesar de ser a protagonista vejo a Yuka apenas como mais uma personagem feminina, não que ela não tenha carisma ou algo do tipo mas não sou do tipo que sempre simpatiza com protagonistas… nem mesmo sou um grande fã do Ryu.
A voz de Yuka é feita por Nogami Yukana que também emprestou sua voz para C.C. de Code Geass, Felicia de Vampire Hunter (anime), Honoka Yukishiro (Cure White) de Pretty Cure e Meiling Li de Card Captor Sakura.

Nome: Kubota Jun
Idade: 17
Medidas: 85-60-86
Local de Nascimento: Kanagawa - Japão
Estilo de Luta: Wrestling
Restaurante: Sukaraaku (Baseado no restaurante Skylark)

Jun era uma atleta olímpica mas devido a sua conduta anti esportiva ela foi banida das competições oficiais e agora trabalha de garçonete. Jun se considera a mulher mais forte do mundo e entra para o torneio VG para tentar provar isso.
Aqui temos uma personagem de agarrões que faz o papel de Zangief do game, ela é bem mais lenta do que as outras garotas e seus agarrões tiram muito HP mas dependem de uma boa habilidade para serem devidamente usados, assim como o grande Ciclone Soviético de SFII quem aprende jogar com a Jun tira proveito dos seus golpes poderosos.
O restaurante já tem um ringue pra quando você
não pagar a conta....
Eu definitivamente não sou fã de mulheres musculosas em animes e mangás, acho que melhor do que uma pilha de músculos é ter uma boa atitude e isso a Jun também não tem muita, ela é bem pretensiosa e eu também não curto personagens que se acham os fortões, acho que eles só servem pra apanhar (tipo o Vegeta de DB kkkk).
A voz de Jun é feita por Tezuka Chiharu que também fez a voz de Akira Kazama de Rival Schools, Misaki de Devilman Lady, Reika Yamamoto de Serial Experiments Lain e Yukari Kashima de Vampire Princess Miyu.

Nome: Masuda Chiho
Idade: 18
Medidas: 83-59-85
Local de Nascimento: Tokyo - Japão
Estilo de Luta: Yagyuu Ninjutsu
Restaurante: Caso (Baseado na rede japonesa de restaurantes COCO’s)

Chiho é a atual herdeira do clã ninja Masuda, mas ela não gosta muito dessa idéia, afinal ela foi forçada a seguir nos costumes da familia por seu avô. Ela entrou no torneio para pegar a grana do prêmio e fugir para escapar da tradição da família.
Chiho é uma excelente personagem pra se jogar, suas habilidades ninjas são muito úteis e ela possui grande velocidade o que te oferece uma boa vantagem nos combates. Acho que se formos comparar ela com algum personagem de SFII seria com certeza o Balrog (Vega) que também é um dos mais ágeis personagens da franquia da Capcom, até mesmo no fato de usar uma máscara e garra podemos assemelhar ela ao espanhol.
Não faça pouco caso do atendimento do CASO..
Feels lika a Cazalbé... kkkkk
Podemos dizer que Chiho é uma dádiva dos ninjas kkkkk… jogar com ela é uma beleza mas enfrentar ela, principalmente na versão de Super Famicom vai te fazer passar muita raiva (até nisso ela imita o psicopata espanhol…
Chiho ganhou voz graças a Shiina Heriku que também foi Hikaru de Magic Knight Rayearth, Kyouko Shibusawa de Shin Megami Tensei, Rifani de Langrisser III e Seung Mina de Sou Edge

Nome: Kusunoki Manami
Idade: 15
Medidas: 75-57-79
Local de Nascimento: Hyogo - Japão
Estilo de Luta: Kodomo no Kenka
Restaurante: Fu✳Si✳Ya (Baseado na loja de doces Fujiya)

Ao contrário das demais garotas Manami já é famosa por conta de sua carreira como cantora, ela entra no torneio apenas para se divertir. Com sua personalidade extremamente infantil podemos dizer que Manami aparenta ter metade da idade que tem por conta disso.
Jogando com Manami não temos nada de bom pra se aproveitar, ela é fraca, seus ataques tem pouco alcance e um de seus ataques ainda lhe causa dano… Não achei nenhuma comparação com os personagens clássicos de Street Fighter que se encaixasse bem com o perfil dela mas pelo estilo ela me fez ver algumas lembranças da Felicia da série Vampire Hunter (Darkstalkers).
Venha se enpanturrar de doces aguentando a chata
da Manami gritando no seu ouvido.... kkkk
Sabe aquela personagem que você não gosta? Então, Manami é um dos melhores exemplos, ela é chata como muita criança, aliás ela só tá no game pra cumprir a cota de Lolis e satisfazer os lolicons que provavelmente não iriam chegar perto do game original se não tivesse uma personagem com estilo infantil pra ser violentada...
A voz irritante da Manami é feita por Araki Kae que também deu voz para a Chibi Usa de Sailormoon, Felicia nos games da série Vampire e Puzzle Fighter, Karina Toyota de Asuka 120% Burning Fest., Lei Lei em Super Puzzle Fighter II X e Minnie May Hopkins em Gunsmith Cats.

Nome: Yajima Satomi
Idade: 17
Medidas: 78-51-82
Local de Nascimento: Tokyo - Japão
Estilo de Luta: Kyokushin Karate
Restaurante: Bikkuri Monkey (Baseado na rede de restaurantes Bikkuri Donkey)

Satomi é a típica boa garota que vive com o irmão mais novo Daisuke, porém Daisuke sofre de uma doença. Embora não goste de lutar Satomi entra para o torneio em busca do prêmio em dinheiro para poder pagar o tratamento do seu irmão. Satomi também é amiga de Yuka.
Satomi é uma ótima personagem pra se jogar, ela tem bons chutes e bastante agilidade, ela tem um estilo meio moleque de ser, com seu cabelo curto e personalidade forte. Comparando ela com personagens de Street Fighter eu iria colocar um pouco de Chun-Li nela mas nada de Kung Fu passa por Satomi… se bem que as duas tem uma coisa em comum.
Não estranhem se encontrarem o Donkey Kong
almoçando na mesa ao lado....
Satomi é uma personagem que só entrou na franquia à partir de Advanced Variable Geo então felizmente não fazem ecchi com ela no game original porque chega a ser meio doente ter que ver alguém que luta pelo bem de outra pessoa ser humilhada ou violentada depois de perder….
A voz de Satomi é feita por Yokoyama Chisa que também deu vida para a Chun-Li em Street Fighter II Victory, a Lucia em Lunar Eternal Blue, a Maria Renard em Akumajou Dracula X e a Sakura Shinguuji de Sakura Taisen.

Nome: Yuuki Ayako
Idade: 19
Medidas: 85-54-88
Local de Nascimento: Kyoto - Japão
Estilo de Luta: Garyuu Dance Kakutougi
Restaurante: SoTo (Baseado no clube noturno METRO que fica em Kyoto)

SoTo é uma das casas noturnas mais populares do Japão e grande parte disso se dá pela sua garçonete Ayako, a garota de 19 anos mistura seus golpes com dança e tem um estilo todo descontraído que faz a alegria de quem frequenta o local. E nas horas vagas ela ainda costuma bater em caras que atacam mulheres e roubam bolsas nas ruas. Ayako entrou para o torneio com o simples objetivo de ficar perto de Satomi, sim… Ayako é lésbica.
Cara… a Ayako é uma personagem do tipo que você precisa jogar e entender, as vezes por ter esse estilo todo dançante você pensa que é só mais uma personagem idiota (ela é um pouco heheh) mas digamos que ela é uma versão feminina do Duck King de Garou Densetsu (Fatal Fury).
Bora dançar??
Ayako também é uma das personagens que foi incluida em Advanced V.G. ficando de fora da safadeza que rola no game original, ela também trabalha para o Grupo Jyahana, mais especificamente para Reimi Jyahana. Uma coisa que eu e todo mundo gostaria de saber é qual a cor dos olhos dela já que eles não aparecem abertos durante o game.
Amano Yuri é quem dá voz para a Ayako também é conhecida pelas vozes de Hokuto de Street Fighter EX, Ibuki de Street Fighter III, Kawai Kawai de Iczelion e Nanvel de Burn Up W.

Nome: Eleanor “Elirin” Goldsmith
Idade: 20
Medidas: 91-57-88
Local de Nascimento: EUA
Estilo de Luta: Kenka Satsu Hou
Restaurante: The Rival (Baseado no restaurante The Royal)

Elirin nasceu nos EUA mas decidiu ir para o Japão para realizar o sonho de abrir seu próprio famires. Bem ela conseguiu, o The Rival que fica em Osaka pertence a ela e mesmo assim ela o representa nos torneios como lutadora. Elirin entrou no torneio para juntar dinheiro pra trazer sua avó para viver com ela no Japão.
Assim como o nome de seu restaurante o estilo das garçonetes é bem ocidental e lembra as famosas coelhinhas da Playboy… ahhhh o que não fazemos pelo fanservice…. Elirin é uma personagem um pouco lenta mas consegue ser muito forte e causar bons danos se seus ataques serem usados corretamente. Poxa… não consegui pensar em com quem comparar ela…
Acho que eu não comeria num lugar assustador desses
Uma das primeiras memórias que eu tenho de Variable Geo é com certeza uma imagem em uma revista que ensinava como pegar os chefes da versão Advanced do Playstation onde mostravam que o próximo confronto era contra a Elirin e destacavam uma arte dela… embora a tela fosse do segundo Advanced V.G. foi por isso que eu fui em busca do game pela primeira vez. Ah! Elirin também foi integrada ao elenco à partir de Advanced V.G. para PC Engine.
A voz de Elirin é feita por Matsushita Miyuki que também fez a Bulleta de Vampire Savior, a Q-Bee de Vampire Savior, a Erika em Wedding Peach e a Madonra de Hello Kitty.

Nome: Yanase Kaori
Idade: 18
Medidas: 84-58-87
Local de Nascimento: Chiba - Japão
Estilo de Luta: Tae Kwon Do
Restaurante: Mohikan (Baseado nas Coffee Shops Koohi Ten)

Kaori já competiu antes nos torneios e foi derrotada pela atual campeã Jyahana Reimi, desde então ela desenvolveu uma rivalidade com ela e tenta a todo custo derrotá-la. Embora seja esse seu objetivo no torneio ela e Reimi são amigas e até trabalharam juntas (parte do enredo do Advanced V.G.) deixando esta rivalidade apenas para os combates.
Kaori é muito rápida e seus ataque consistem apenas de chutes já que seu estilo de luta é o Tae Kwon Do, ela tem ataques especiais muito bons e consegue ser muito melhor de se jogar até mesmo do que com a Yuka que é a típica personagem equilibrada do game. Eu poderia comparar ela com o Kim Kaphwan do Garou Densetsu 2 mas ela não tem nem sequer um terço dos golpes estilosos dele…
Não gosto de café mas iria tomar um só
pra ver a Kaori de perto....
Kaori é de longe minha personagem favorita do game, aliás da série V.G…. ela luta Tae Kwon Do que é um estilo de luta que eu curto muito, ela é uma Meganekko (garota de óculos) que é outra coisa que eu curto muito e eu acho o estilo dela muito legal do ponto de vista artístico já que gosto de desenhar.
A voz de Kaori é feita por Shiratori Yuki que também fez as vozes de Cherry de Saber Marionetes J, de Maria Robotnik de Sonic Adventure 2, de Mei Narusegawa de Love Hina e de Noriko de Goldenboy.

Nome: Jyahana Reimi
Idade: 19
Medidas: 85-58-87
Local de Nascimento: Desconhecido
Estilo de Luta: Vários
Restaurante: Nenhum

Reimi é na verdade a chefe do Jyahana Group (não na verdade) e já é três vezes campeã do torneio Variable Geo, ela gosta de lutar apenas pra se afirmar como a mais bela e poderosa mulher do mundo… Seu único objetivo é se manter no topo e humilhar as adversárias, o que lhe dá prazer.
Reimi embora seja o chefe do game não deixa de ser uma personagem comum para se jogar, o que dá uma idéia diferente do que estamos acostumados já que geralmente os chefes são todos overpowered… Podemos classificar ela como um Vega (M.Bison) de saias (se bem que ela não usa)? Acho que não, como eu disse no parágrafo anterior ela não é bem a manda chuva do Jyahana Group…
Casa pequena....
Eu gosto da Reimi… ela é uma boa rival para a Yuka, que a derrota e toma o título de Virgin Goddess na versão Advanced (Ops Spoiler kkkk). Fora que a roupa dela e o estilo são muito elegantes e as vezes é bom ver personagens que se arrumam um pouco… Acho que o caso dela é mais de menina mimada do que de alguém com alguma maldade.
A voz de Reimi é feita por Watanabe Kumiko que também faz vozes para Hideki Isobe de Hikaru no Go, Kumiko Gottou de Sekkou Seitoukai, Mauri de Lunar Eternal Blue e Shippo de Inuyasha.

Com isso já conhecemos o elenco presente no game, não há personagens secretos para liberar então digamos que basta colocar o cartucho e jogar.

JOGABILIDADE

Super V.G. consegue ser um bom game de luta, os controles são bons, o visual é agradável e embora seja um pouco limitado perto de outros games ele ainda rende uma boa diversão. Sua fórmula de jogabilidade não foge em nada de outros games de luta já conhecidos, temos até um layout de controles e modos de jogo bem comuns. Vamos então descrever aqui os principais elementos que compõe a jogabilidade do game.

Controles

Você vai se sentir em casa com esse game...
Dá pra jogar igual a um Street Fighter II...
Aqui mora o fator mais importante dos games de luta, ter um bom controle do seu personagem é o que mais define a qualidade da jogabilidade afinal é com um bom controle que vamos poder executar todos os movimentos do personagem que estamos jogando. Em Super V.G. temos controles bem simples e próximos do que estamos acostumados a encontrar em outros games, o game fica entre uma mistura de games da SNK com os da Capcom nesse quesito e assim como os bons games destas empresas os controles aqui respondem bem, você vai conseguir usar todos os movimentos das personagens sem dificuldade, isso claro, se você tiver experiência com games de luta. Por padrão o game oferece o seguinte layout de controle.

  • Direcional: Aqui temos o padrão de todo game de luta, você move seu personagem pressionando o botão para trás ou frente (dependendo do lado da tela) abaixa e pula. A defesa é acionada pressionando para trás quando se está recebendo um golpe e ao pressionar o botão para frente ou para trás duas vezes podemos usar um dash ou back dash para se locomover rapidamente e atacar mais facilmente ou escapar do ataque inimigo.
  • A: Chute Forte
  • B: Chute Fraco
  • X: Soco Forte
  • Y: Soco Fraco
  • START: Pausa o game

NOTA 1: Os botões L, R e SELECT não são usados.
NOTA 2: Você pode alterar os botões de soco e chute nas configurações do game.

Modos de Jogo

Super V.G. oferece o básico que encontramos em diversos games de luta… Se você está acostumado com games de luta da época nada aqui soa estranho pra você. Dentro dos modos de gameplay temos o seguinte.

Tela de seleção de personagens
Normal Mode: Equivale ao Arcade Mode da maioria dos games de luta, você seleciona uma das personagens e luta contra todas as outras (incluindo um Mirror Match) e então enfrenta Reimi Jyahana como o boss final, todavia se estiver jogando com Reimi a sua batalha final será contra a Yuka Takeuchi. É interessante mencionar que cada personagem enfrenta os oponentes em uma ordem fixa e mesmo perdendo os continues são infinitos. Ao concluir o game você receberá o final da personagem selecionada e então os créditos. Ao contrário de games como Street Fighter II aqui não temos um Bonus Mode então nada de quebrar carros e tijolos na porrada…

VS Mode: Aqui você pode tirar aquele contra do jeito que você quiser, você seleciona as personagens e define o Handicap (quantidade de dano causado pelos ataques, quanto maior o valor maior o dano) e então vai para a luta. Ao termiar pode escolher novos personagens e lutar novamente, tudo no melhor estilo VS do Street Fighter II. O modo VS se divide em três sub modos que são:

  • 1P VS COM: Selecione uma personagem pra você e outra para a CPU e lute a vontade. É um bom modo para praticar antes de ir para o Arcade e até porque o game não traz um modo de treino.
  • 1P VS 2P: Você e um colega selecionam as personagens e vão para o X1, vale a pena juntar uns 4 ou 5 caras e quem perder passa o controle heheheheh.
  • COM VS COM: Aqui você seleciona duas personagens para a CPU e deixa as duas lutarem enquanto você assiste, não vejo real utilidade nisso exceto para gravar gameplay e pegar prints para usar nesse review por exemplo.

O Menu de Configurações

Na tela de título você tem acesso aos modos de jogo
e também às configurações...
Acessado pela tela de título do game você pode definir as configurações básicas do game nesta tela. Mais uma vez não vamos achar nada de estranho aqui, aliás o game é tão previsível as vezes que eu já acho que a Capcom foi quem desenvolveu o game às escondidas kkkkkkk. Ao acessar o menu de configurações vamos poder alterar o seguinte:

  • Mudar a dificuldade do game, quanto maior o número maior a dificuldade. Todavia tem algo que eu considero um defeito grave nesse game, quanto mais difícil mais escrota fica a IA da CPU, o game se comporta como aqueles piratões chineses pra NES onde a CPU só usa Fireball ou um golpe repetitivo. E tem mais, embora o desafio aumente a recompensa é sempre a mesma.
  • Definir se queremos ou não tempo durante os rounds, se estiver ativado vamos ter o clássico contador com 99 segundos.
  • Podemos definir o layout de botões tanto do Player 1 quanto do Player 2, todavia para configurar o segundo controle este deve estar conectado.
  • Podemos ouvir as músicas, efeitos sonoros e vozes do game.
  • Definir o som entre Mono e Stereo.

A IA pobre vai te fazer ver muito essa tela...
Sentiu alguma diferença do Street Fighter II ou de algum outro game? Não… tá tudo do mesmo jeito..

Com isso acho que já cobrimos praticamente toda a parte que diz respeito a jogabilidade, você nota que o game segue num padrão bem próximo dos games de luta que você já conhece então o diferencial dele talvez fique mesmo pelo elenco.

GRÁFICOS

Na parte das artes os gráficos dão um belo show
Os gráficos de Super V.G. são bons, nada de espetaculares ou algo que se destaca de longe entre os games do mesmo gênero, você tem uma boa qualidade de cores tanto nas personagens quanto no cenário, e embora as personagens sejam um bocado serrilhadas o visual não está ruim e você pode perceber bem detalhes de rosto de cada uma. Os cenários são muito bem feitos e trazem uma boa quantidade de detalhes, alguns até usam o efeito de parallax pra dar uma aparência de fake 3D.
Apesar de tudo o game não vendeu tanto no Super Famicom
Num comparativo com as versões originais do PC-98 e do PC Engine eu diria que o port do Super Famicom tem gráficos melhor elaborados no gameplay mas fica devendo na qualidade das cutscenes para o PC Engine, já que lá o game roda em CD e traz muito mais conteúdo neste aspecto. As cutscenes do Super V.G. são boas também, tem um estilo mais próximo da versão de PC no estilo de cores e mesmo a abertura que é a mesma do PC Engine mostra que as animações são muito bem feitas.
Acho que isso é o máximo em Ecchi que você
vai ver neste game...
Só não podemos comparar ele com as versões para consoles de 32 bits já que ali a qualidade vai muito além de todas as outras versões.
Enfim podemos dizer que os gráficos do game são bons mas poderiam ser um pouco melhores dado o fato de que é um game de 1995, ano em que o Super Famicom já estava muito mais maduro e os desenvolvedores poderiam fazer muito mais.

MÚSICAS E SONS

Agora vamos falar da trilha sonora do game. Temos umas músicas muito boas na franquia, e o game aqui apesar de capado não ficou sem elas não… praticamente todas as músicas da versão Advanced estão aqui mas sem qualidade de CD é óbvio mas você vai poder ouvir bem as músicas tanto durante as partidas quanto no Sound Test nas configurações. Quem é familiarizado com a franquia vai reconhecer bem as músicas.
Cena das gravações da OST... Não pera....
Os efeitos sonoros são normais, acho que não há nada que você não tenha visto em algum game de luta bem feito por aí. Também temos vozes para as personagens durante as lutas, estas são um bocado abafadas mas não são impossíveis de se entender (isso se você entende japonês é claro). Mais uma vez perdemos conteúdo devido à limitação do cartucho, os diálogos que vemos antes das lutas no Normal Mode por exemplo são todos falados nos consoles que fazem uso do CD, até mesmo a abertura e a apresentação de cada personagem é falada nessas versões mas infelizmente não é o caso em Super V.G. embora isso não seja um problema e sim uma limitação da mídia usada pelo console.

Gosta de ouvir as músicas dos games que você joga? Faça o download da OST de Super V.G. clicando AQUI

RECEPÇÃO E LEGADO

Este pode ser seu por 50 Euros mais frete e possivelmente impostos
Super V.G. não é popular, mesmo quem conhece a franquia Variable Geo muitas vezes só conhece pelo Advanced e ainda por cima pela versão do Playstation. O game provavelmente não vendeu muito mas apesar de tudo isso a franquia teve uma certa popularidade durante os anos 90. A versão Advanced que foi onde a franquia mais se destacou recebeu continuação no Playstation e essa pode até ser vista como um excelente game de luta no console em questão. Nos PCs a franquia recebeu alguns novos games mas todos eles mais focados no que era a proposta original que é o Hentai, até mesmo anime (OVA) Variable Geo recebeu, sem ecchi é claro, o enredo também foca mais nos acontecimentos do Advanced mas sofre uma porção de alterações. Também foi feito um novo anime chamado de VG Neo mas este é Hentai mesmo e não tem as personagens originais que vemos nos games.
Mas e o Super V.G.? Vale a pena ter ele? Bem… sim… se você gosta de games de luta ele ainda é uma boa opção, é claro que não se compara com as versões dos consoles da geração seguinte mas consegue ser melhor que muito game de luta do Super Famicom.

OUTRAS VERSÕES

Antes de concluir gostaria de mostrar alguns vídeos das demais versões do primeiro Variable Geo, assim podemos fazer uma pequena comparação e também matar sua curiosidade caso você tenha alguma vontade de conhecer algumas delas… Eu pessoalmente só tenho a versão de Playstation que foi inclusive onde eu fiquei conhecendo a franquia mas dei um jeito de testar a versão de PC Engine também que foi a única que eu consegui emular aqui. Todas as demais, exceto o Super V.G. eu só conheço por vídeos mesmo.

NEC PC-98

A primeira versão do game é esta, visualmetne bem simples e notavelmente a com visual mais distinto de todas, tem apenas seis personagens dos 9 presentes nos demais games e vale lembrar que nesta versão o foco é o Hentai então é provável que a jogabilidade não seja muito boa. Abaixo segue um vídeo de demonstração.



Nos PCs da NEC a franquia teve uma espécie de spin-off batizada de V.G. II THE BOUT OF CABALISTC GODDESS que conta com novos personagens exclusivos e todo o elenco do game original, este game é declarado pela TGL como não canônico. Se quiser ver um vídeo sobre ele clique AQUI

PC Engine

A primeira versão a remover o Hentai e se tornar um game de luta melhor elaborado e voltado para o público que curte games foi lançada em 1994 para o console da NEC o PC Engine. Esta versão adicionou três novas personagens (Ayako, Elirin e Satomi), um modo de história onde a Yuka foi definitivamente colocada como a protagonista e traz junto como chefes um clone dela e também os geneticamente modificados K-1 e K-2 que foram criados pelo Jyahana Group.
Na minha opinião esta versão tem gráficos inferiores ao Super V.G. embora ganhe na quantidade de conteúdo.



SEGA Saturn

Em 1995, três meses antes de Super V.G. ter sido lançado a versão Advanced recebeu um belo upgrade no console de 32 bits da SEGA. Esta versão talvez seja a mais completa de todas, ela tem tudo o que a versão de PC Engine traz porém com gráficos muito mas muito mais bonitos e ainda permite ao jogador ativar o Graphic Mode que exibe cenas adultas assim como no primeiro game para o PC-98.
Esta pra mim parece ser de longe a melhor versão de Advanced Variable Geo já que esta traz todo o material das versões anteriores, tem os gráficos muito bonitos já que o Saturn é muito bom pra lidar com gráficos em 2D e possivelmente deve ter a melhor jogabilidade já que o controle deste console é muito bom para jogos de luta (especialmente os da Capcom).



Playstation

Em 1996, quase um ano depois da versão de Saturn (faltava apenas 3 dias) foi a vez do Playstation receber sua versão de Advanced V.G. que ficou muito boa. Muito do que vemos na versão de Saturn está aqui, embora os cenários tenham sido modificados novamente e estão mais simples o game não fica devendo tanto em visual. Também houveram mudanças no Story Mode e o foco no clone da Yuka foi reduzido. Também removeram completamente o Graphic Mode (que pena….) censurando de vez o game.
Esta provavelmente é a versão mais popular do game, foi por onde eu conheci a franquia assim como muita gente talvez, pode não ser a mais bonita mas não fica devendo em nada no quesito jogabiidade.



Advanced V.G.2 Merece mais reconhecimento
que seu antecessor.
Em 1998 uma continuação dos eventos de Advanced V.G. foi lançado com exclusividade para o Playstation, batizado de Advanced Variable Geo 2 este game fez um upgrade enorme em relação ao seu antecessor. Agora temos uma nova protagonista chamada Mitsurugi Tamao mas todos os personagens clássicos estão de volta e neste mesmo game vemos o verdadeiro vilão da série, Jyahana Miranda, a mãe de Reimi e verdadeira mente por trás do Jyahana Group. MAS este game não fica bom só pelas novidades não, ele não deixa a desejar no quesito jogabilidade pra nenhum grande game de luta. Veja vídeos do game clicando AQUI ou AQUI

PC

Em 1999 alguém dentro da Giga teve uma brilhante idéia… Vamos refazer o primeiro Variable Geo com os gráficos do Advanced V.G.2… Então pegaram toda a engine gráfica do segundo Advanced V.G., incluindo pedaços da abertura, juntaram com mais algumas artes que eles tinham guardadas e então nasceu V.G. Custom… Um game com total cara de MUGEN mal feito…
A abertura parece ter sido feita no Windows Movie Maker, tirando o fato que em 1999 esse software sequer existia… os gráficos estão ok já que são do Advanced V.G.2 mas eu me pergunto se isso era realmente necessário…



Depois disso outros games de luta ou mesmo no estilo text adventure foram produzidos, trouxeram mais hentai e novas personagens mas nenhum deles foi parar em console algum, hoje em dia podemos dizer que a série Variable Geo está praticamente morta, mesmo a TGL ainda estando ativa, uma vez que a empresa também tem investimentos em outras áreas relacionadas à tecnologia da informação.

CONCLUSÃO

Parte de trás da caixa
Vale a pena jogar Super V.G.? Eu diria que sim… ele pode não ser o mais completo da franquia Variable Geo, pode ser um game de luta bem limitado no Super Famicom mas ele de longe não deve ser chamado de game ruim… Acredito que se você gosta de jogar games de luta conhecer os mais diversos seja necessário afinal é bom poder indicar algo diferente para alguém de vez em quando. Eu pessoalmente não possuo o cartucho e não tenho planos de comprá-lo tão já, mas eu colocaria ele na minha coleção pessoal facilmente se o encontrasse por um preço baixo agora. Felizmente nenhum game da série foi localizado para o ocidente o que evitou que tivéssemos alguma das muitas alterações que costumam estragar o conteúdo.
Se fosse pra indicar algum game da série eu com certeza indicaria o Advanced V.G.2 do Playstation mas seria bom você conhecer antes as origens então jogar os primeiros games também vai ser bom.

PRÓS
- Boa jogabilidade.
- Gráficos bem feitos
- Boa trilha sonora



CONTRAS
- IA da CPU muito mal elaborada
- Conteúdo removido
- Cadê o Hentai? kkkkk




Toda ROM de SNES precisa de um emulador pra funcionar. Se você não tem um clique no link à seguir e siga o tutorial de configuração para ter um totalmente pronto pra jogar: Emulador SNES

Quer conhecer mais games? Visite nossa sessão de análises aqui do blog e conheça muito mais do que você pode imaginar. É só clicar AQUI

Eu me despeço por aqui mas antes deixo meus agradecimentos primeiro para o Juan que me cede o espaço pra escrever essas coisas, depois pro Gustavo que é parceiro aqui do blog e me ajudou a comprovar a teoria de que a IA do game é patética, também agradeço ao Yoz do Blog Gamer Desconstrutor que como sempre me ajudou na captura de sprites e pra você que leu também. Pra finalizar espero que vocês gostem tanto do game quanto do texto. Espero ter acrescentado mais um game diferente para sua lista de ROMs. Então até breve e uma boa jogatina.
Ajude o autor e curta essa postagem clicando em um ou mais dos botões de redes sociais abaixo e se possível se inscreva no nosso canal do Youtube.

7 comentários:

  1. Ótima análise manolo, eu não conheço as outras versões do jogo, mas já que temos algumas coisas fapaveis pra ver eu vou dar uma conferida haha

    ResponderExcluir
  2. Eu não podia escolher algo melhor para essa véspera de Ano Novo do que ler uma análise tão bem feita de uma de minhas franquias de luta favorita. Parabéns mesmo, cara.

    Eu me tornei fã de Variable Geo depois de assistir ao OVA. Essa versão de Super Nintendo é boa, mas eu senti muita falta do Story Mode como temos no primeiro Advanced V.G.

    Ainda assim é um ótimo jogo de luta no SNES. Mas o Advanced V.G. 2 de PS1 é sem dúvidas o melhor da série.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa muito obrigado cara. Fico feliz em saber que você gostou do texto.
      Eu tenho que concordar com você, Advanced V.G. 2 é sem dúvidas um dos melhores games tanto da série Variable Geo quanto dos games de luta do Playstation.

      Excluir
  3. Lembrei de quando encontrei essa ''rom'' do game V.G por esses dias.. fiquei mais uma vez impressionado com a quantidade de pérolas existente no universo do Super Nintendo. Oh console cheio de games bons.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não só o SNES mas uma grande parte dos consoles das antigas se você pesquisar na biblioteca japonesa deles vai descobrir tanta coisa boa. Te garanto que você não vai ver o mundo dos games com os mesmos olhos.

      Excluir

*Se gostou do post comente, sua opinião é muito importante.
*Comentários com links ou palavrões serão excluídos.

 

Seguidores